terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Após 27 anos, acusado de matar médico em Alexandria/RN é julgado

Um crime que aconteceu há quase três décadas e que somente agora, nesta terça-feira (13), deve chegar a um desfecho. O caso em questão é o julgamento do comerciante Evaristo Mesquita de Figueiredo, acusado de matar a tiros o próprio primo, o médico Gentil Paiva. O crime aconteceu no dia 25 de maio de 1989 em Alexandria, cidade da região Oeste potiguar. "A justiça tarda, mas não falha", disse Teresa Oliveira, filha do médico.
O julgamento do acusado até chegou a acontecer, em dezembro de 2011, mas foi anulado pelo Tribunal de Justça por um erro na votação. Advogado da família, Félix Araújo explica que as qualificadoras enumeradas pelo Ministério Público - motivo fútil e emboscada - não foram levadas em consideração. "Evaristo não pegou nenhuma qualificadora. O juri votou errado, deu uma confusão na hora”, explicou.
O júri popular de Evaristo foi à revelia, já que na época estava foragido. Na ocasião, ele acabou condenado a 17 anos e três meses de prisão em regime fechado. Encontrado e preso dois anos depois na cidade de Aracruz, no Espírito Santo, ele agora sentará no banco dos réus pela primeira vez.. O comerciante aguarda o júri em regime semiaberto no Complexo Penal João Chaves, na Grande Natal.

Um novo júri
"O Tribunal entendeu que o júri foi equivocado em 2011, por não adicionar as qualificadoras. Agora, é esperar para ver se aceitam ou não as qualificadoras", explica Félix. A expectativa do advogado é que a pena, acrescida dos agravantes, chegue até 30 anos.

Comparsa
Segundo a denúncia feita pelo MP, Evaristo não agiu sozinho. Também participou do crime Wildenberg Fernandes de Oliveira, igualmente condenado pela morte de Gentil. No caso dele, denunciado por homicídio simples. Ele até hoje é procurado pela polícia.
Em carta aberta, os filhos do médico falam sobre a expectativa com o julgamento "Não haverá o que comemorar, nosso pai continua morto, um homicídio fecha muito mais do que uma porta", escrevem. Segundo Teresa Oliveira, filha do médico, as motivações do crime não são claras, mas seriam rixas familiares e questões políticas.
Local do crime, uma oficina na cidade de Alexandria (Foto: Teresa Oliveira/Arquivo Pessoal)
O crime
O médico Gentil Oliveira era vice-presidente do diretório municipal do PMDB em Alexandria quando foi assassinado em maio de 1989. Tinha destaque na sua atuação como médico e foi diretor do hospital da cidade, o Joaquina Queiroz. Gentil havia se candidatado a prefeito em 1988, mas perdera a eleição.
No dia 25 de maio de 1989, o médico foi executado. Ele estava na oficina mecância de um amigo, jogando baralho, quando dois homens invadiram o local e dispararam 12 vezes contra a vítima. Os homens eram seus primos: Wildenberg Fernandes de Oliveira e Evaristo Mesquita de Figueiredo.( O Tostão).
A vítima foi transferida para o hospital em Pau dos Ferros e posteriormente para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do hospital Walfredo Gurgel, em Natal. No dia 28, Gentil teve complicações renais que forçaram a sua transferência para Recife. No mesmo dia, não resistiu à gravidade dos problemas causados pelos disparos que o atingiram e morreu aos 45 anos de idade.

Fonte G1.

0 comentários


EnviarEmoticon

Próxima Proxima
Anterior Anterior