segunda-feira, 13 de março de 2017

Em 5 anos, RN teve 116 mortes em cadeias e pelo menos 716 fugitivos


Presos carregam um detento ferido na penitenciária de Alcaçuz, no Rio Grande do Norte (Foto: Andressa Anholete/AFP) 
Presos carregam um detento ferido na penitenciária de Alcaçuz, durante rebeliões em janeiro deste ano (Foto: Andressa Anholete/AFP)
De janeiro de 2012 a janeiro de 2017, pelo menos 716 presos fugiram e outros 116 morreram em unidades prisionais do Rio Grande do Norte. Os dados são de um relatório do governo do RN enviado à Procuradoria Geral da República, nesta sexta-feira (10), em resposta a questionamentos do procurador-geral, Rodrigo Janot, sobre a crise no Sistema Penitenciário potiguar.
Os números, no entanto, podem ser ainda maiores, pois os dados apresentados pelo governo referentes aos anos de 2012 e 2013, por exemplo, não apresentam precisão. Em alguns relatos de fugas desses anos a quantidade de foragidos não é especificada.
No próprio documento, o governo faz a ressalva: "É importante registrar que a Seção de Inteligência foi implantada no atual Governo, ocasião em que foi dado início ao trabalho mais intenso de coleta de informações das unidades prisionais do Estado, incluindo as ocorrências das gestões de governos anteriores".
Os questionamentos do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, sobre a situação do Sistema Penitenciário do RN foram feitos após as rebeliões no presídio de Alcaçuz, em Nísia Floresta, que resultaram em pelo menos 26 detentos assassinados.
O governo do estado explica ainda que as mortes nos presídios são investigadas pela Polícia Civil e os dados apresentados no ofício dizem respeito a procedimentos instaurados. Do total de 116 mortes que constam no documento, 112 foram confirmadas como homicídio, uma como suicídio, duas estão com "causa ainda não definida" e uma foi caracterizada como "ação típica do estado".
Neste ano de 2017, foram registradas outras duas mortes que não constam no relatório apresentado pelo governo à Procuradoria Geral da República, pois aconteceram no início deste mês março. No dia 4, dois detentos foram encontrados mortos na Cadeia Pública de Mossoró, região Oeste do estado.
De acordo com documento que o G1 teve acesso, do total de 8.231 detentos que compõem a população carcerária do Rio Grande do Norte, 6.323 são presos sentenciados ou provisórios. Outros 1.107 são de regime semiaberto e 801 do regime aberto. O estado do Rio Grande do Norte prevê, em seu planejamento estratégico, a criação de 4.603 vagas, a serem disponibilizadas nos próximos cinco anos, conforme Plano Diretor em elaboração.
Nesta sexta-feira (10), foi anunciado que duas novas unidades serão construídas no município de Santana do Seridó, sendo cada uma com capacidade para 603 presos, totalizando 1.206 novas vagas. Além disso, a Cadeia Pública de Ceará-Mirim também está sendo construída com capacidade para mais 603 detentos.
Com base nas informações que foram repassadas pelo governo do RN, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deverá analisar se recorre ao Supremo Tribunal Federal solicitando que seja decretada Intervenção Federal no Sistema Penitenciário potiguar.

G1RN.

0 comentários


EnviarEmoticon

Próxima Proxima
Anterior Anterior