sexta-feira, 6 de setembro de 2019

Iniciativa convida a população a abraçar o Setembro Dourado

 Resultado de imagem para Setembro Dourado
Com fitas e balões dourados, crianças e adolescentes em tratamento oncológico e seus familiares, funcionários da Associação de Apoio aos Portadores de Câncer de Mossoró e Região e da Liga Mossoroense de Estudos e Combate ao Câncer (LMECC) convidam a população a abraçar a causa do Setembro Dourado. O convite será feito através de uma ação marcada para a próxima terça-feira, 10, em frente ao Hospital Santa Luzia.
A atividade terá início às 9h, durante o período de atendimento da onco-hematologista infantojuvenil, Edvis Serafim, que está à frente da iniciativa. Os presentes amarrarão fitas douradas em uma árvore, em seguida farão um momento de oração e finalizarão soltando balões.
Já no dia 21 deste mês, adolescentes que alcançaram a cura do câncer participarão de um encontro para celebrar a vida e compartilhar a esperança. O encontro será realizado na Unidade da AAPCMR localizada no bairro Costa e Silva.
Entre tantas cores, o mês de setembro se reveste também de dourado para alertar a população sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer infantojuvenil. Essa patologia representa a primeira causa de morte por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA).  
A escolha da cor para representação do tema faz alusão à preciosidade da criança. “O dourado foi escolhido por ser ouro, a criança é ouro”, explica a onco-hematologista infantojuvenil, Edvis Serafim. Ela lembra que durante o mês são realizadas ações com o objetivo de que o diagnóstico seja realizado precocemente para que essas crianças consigam ter cura, com qualidade de vida.

Diagnóstico precoce: o aliado na luta contra o câncer
Quando o diagnóstico ocorre precocemente, as chances de cura aumentam. “No mundo, essa estatística está em torno de 80% a 90% de cura. No Brasil, se eles chegassem cedo, como chegam havendo serviço especializado, seriam essas mesmas chances. Nós estamos, de maneira geral falando, porque nós temos muitos diagnósticos tardios no Brasil, em torno de 70%. Mas isso cai em consequência do diagnóstico tardio”, informa a onco-hematologista, Edvis Serafim.
Com relação aos tipos mais incidentes da doença, a médica informa que a leucemia ainda é o mais frequente, seguida de tumor cerebral, linfomas e osteossarcoma.
A onco-hematologista alerta para o fato de que os sinais e sintomas do câncer infantojuvenil são muito parecidos com os de outras doenças, o que dificulta o diagnóstico diferencial. Isso reforça a necessidade de atenção. “Estar alerta a uma criança com uma febre de origem inespecífica ou aquela febre que a criança está há dez dias, doze dias, que não é amigdalite, não é pneumonia, o médico não consegue determinar uma causa; uma palidez que a criança teve, que não é uma anemia por falta de alimentação, a criança rapidamente ficou pálida, associada a muita dor óssea, não é aquela dor do crescimento no finalzinho da tarde, é uma dor que a mãe precisa dar medicação. Então, uma febre de origem inespecífica, uma dor óssea e uma anemia são as três coisas, em conjunto, que mais fecham o diagnóstico de uma leucemia, que é a principal causa”, cita Edvis Serafim.
A mudança de comportamento é outro fator que requer atenção e os professores podem auxiliar nesse ponto. “No colégio seria as professoras observarem diferença de comportamento. A gente precisa dar o diagnóstico de tumor cerebral bem cedo, que é um dos nossos problemas do diagnóstico tardio. A criança tem alteração de comportamento e ela vomita só pela manhã, nós não sabemos a causa, mas é esse um dos sintomas”, acrescenta a médica.
Além disso, ela alerta em relação a um sintoma que pode estar associado a tumores ósseos. “O adolescente que está em fase de crescimento que tem uma dor localizada só naquele osso, muita dor que precisa tomar analgésico”, esclarece. Nesse caso, o diagnóstico precoce também pode evitar a perda de membros. “Nos adolescentes os tumores ósseos deveriam chegar mais cedo para evitar a amputação”, diz.
A médica ressalta a importância de atentar aos sinais e sintomas e procurar atendimento médico. “O nosso grande alerta é sempre que uma mãe, um professor ou um educador vir uma criança diferente do normal, orientar a família, procurar o médico do posto de saúde, conversar e daí ele está capacitado para encaminhar para o serviço para realizar diagnóstico”, orienta, acrescentando que, caso a criança não tenha câncer, ela retornará à unidade básica, já em caso de diagnóstico de câncer, ela deve dar prosseguimento ao tratamento no serviço especializado.

Dados do INCA
Estimativas do Instituto Nacional de Câncer apontam para o surgimento de 12.500 novos casos de câncer infantojuvenil em cada ano do biênio 2018-2019. Ainda de acordo com o Instituto, com base no Atlas de Mortalidade por Câncer, em 2015 foram registradas 2.704 mortes por câncer infantojuvenil.

0 comentários


EnviarEmoticon

Próxima Proxima
Anterior Anterior