-->

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

Especialista explica consequências da declaração de emergência em saúde pública por coronavírus

Resultado de imagem para Especialista explica consequências da declaração de emergência em saúde pública por coronavírus"
O médico sanitarista Alexandre Chieppe, diretor da MedLevensohn, explica as consequências e o funcionamento da decretação de emergência em saúde pública devido ao coronavírus, anunciada nesta segunda-feira, 3 de fevereiro, pelo Governo do Brasil, onde 14 casos suspeitos são monitorados. “A população não deve se desesperar. Manter a calma é essencial, tendo em vista que não há evidências de circulação do vírus no Brasil”, explica o especialista. Este vírus é conhecido há alguns anos. O subtipo atual é novo e também está associado a casos de pneumonia e insuficiência respiratória.

Mesmo com milhares de pessoas chegando ao Brasil diariamente, o médico pondera que não há motivos para desespero. “Risco sempre vai existir, porque o vírus espalha-se com o contato humano e é praticamente impossível restringi-lo a um único local”, afirma. A comunicação de risco é importante para que os países fiquem atentos.

Para Dr. Chieppe, ainda não é possível dizer qual é o grau de letalidade do coronavírus, pois a doença causada por ele é muito recente. Os sinais e sintomas envolvem febre, tosse e secreção, podendo evoluir para pneumonia ou encefalite viral. A transmissão é de pessoa para pessoa, por meio do contato com secreção expelida em tosses e espirros, pelo ar, ou contato com superfícies contaminadas pela secreção.

“Agora é hora de lavar bem as mãos, com frequência, e evitar o contato com pessoas doentes, como em aglomerações, assim como em outros surtos virais”, afirma o médico. As medidas para se evitar a disseminação da doença envolvem vigilância de viajantes vindos de lugares onde o surto já ocorreu e identificação precoce de casos. Não há restrição para viagens e comércio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Parceiro MAGALU